domingo, novembro 28, 2010

sábado, novembro 27, 2010

The fog....


The fog...., originally uploaded by chris-conway.

Buttermere Dawn


Buttermere Dawn, originally uploaded by Mark lj.

quarta-feira, novembro 24, 2010

Nanowrimo: update

Quaaaaase nas 44 mil palavras. Falta pouco para as 50 mil, mas gostava de escrever ao menos, nesta primeira versão, 70 mil. Deixarei as restantes 20 mil para Dezembro (probably).

Zombie Lisbon Book, ó ié. Ai as revisões depois, mãezinha o_0

Nanowrimo: this is too good, I need to share it

[NaNoWriMo] A pep talk from Lemony Snicket

"Dear Cohort,

Struggling with your novel? Paralyzed by the fear that it's nowhere near good enough? Feeling caught in a trap of your own devising? You should probably give up.

For one thing, writing is a dying form. One reads of this every day. Every magazine and newspaper, every hardcover and paperback, every website and most walls near the freeway trumpet the news that nobody reads anymore, and everyone has read these statements and felt their powerful effects. The authors of all those articles and editorials, all those manifestos and essays, all those exclamations and eulogies - what would they say if they knew you were writing something? They would urge you, in bold-faced print, to stop.

Clearly, the future is moving us proudly and zippily away from the written word, so writing a novel is actually interfering with the natural progress of modern society. It is old-fashioned and fuddy-duddy, a relic of a time when people took artistic expression seriously and found solace in a good story told well. We are in the process of disentangling ourselves from that kind of peace of mind, so it is rude for you to hinder the world by insisting on adhering to the beloved paradigms of the past. It is like sitting in a gondola, listening to the water carry you across the water, while everyone else is zooming over you in jetpacks, belching smoke into the sky. Stop it, is what the jet-packers would say to you. Stop it this instant, you in that beautiful craft of intricately-carved wood that is giving you such a pleasant journey.

Besides, there are already plenty of novels. There is no need for a new one. One could devote one's entire life to reading the work of Henry James, for instance, and never touch another novel by any other author, and never be hungry for anything else, the way one could live on nothing but multivitamin tablets and pureed root vegetables and never find oneself craving wild mushroom soup or linguini with clam sauce or a plain roasted chicken with lemon-zested dandelion greens or strong black coffee or a perfectly ripe peach or chips and salsa or caramel ice cream on top of poppyseed cake or smoked salmon with capers or aged goat cheese or a gin gimlet or some other startling item sprung from the imagination of some unknown cook. In fact, think of the world of literature as an enormous meal, and your novel as some small piddling ingredient - the drawn butter, for example, served next to a large, boiled lobster. Who wants that? If it were brought to the table, surely most people would ask that it be removed post-haste.

Even if you insisted on finishing your novel, what for? Novels sit unpublished, or published but unsold, or sold but unread, or read but unreread, lonely on shelves and in drawers and under the legs of wobbly tables. They are like seashells on the beach. Not enough people marvel over them. They pick them up and put them down. Even your friends and associates will never appreciate your novel the way you want them to. In fact, there are likely just a handful of readers out in the world who are perfect for your book, who will take it to heart and feel its mighty ripples throughout their lives, and you will likely never meet them, at least under the proper circumstances. So who cares? Think of that secret favorite book of yours - not the one you tell people you like best, but that book so good that you refuse to share it with people because they'd never understand it. Perhaps it's not even a whole book, just a tiny portion that you'll never forget as long as you live. Nobody knows you feel this way about that tiny portion of literature, so what does it matter? The author of that small bright thing, that treasured whisper deep in your heart, never should have bothered.

Of course, it may well be that you are writing not for some perfect reader someplace, but for yourself, and that is the biggest folly of them all, because it will not work. You will not be happy all of the time. Unlike most things that most people make, your novel will not be perfect. It may well be considerably less than one-fourth perfect, and this will frustrate you and sadden you. This is why you should stop. Most people are not writing novels which is why there is so little frustration and sadness in the world, particularly as we zoom on past the novel in our smoky jet packs soon to be equipped with pureed food. The next time you find yourself in a group of people, stop and think to yourself, probably no one here is writing a novel. This is why everyone is so content, here at this bus stop or in line at the supermarket or standing around this baggage carousel or sitting around in this doctor's waiting room or in seventh grade or in Johannesburg. Give up your novel, and join the crowd. Think of all the things you could do with your time instead of participating in a noble and storied art form. There are things in your cupboards that likely need to be moved around.

In short, quit. Writing a novel is a tiny candle in a dark, swirling world. It brings light and warmth and hope to the lucky few who, against insufferable odds and despite a juggernaut of irritations, find themselves in the right place to hold it. Blow it out, so our eyes will not be drawn to its power. Extinguish it so we can get some sleep. I plan to quit writing novels myself, sometime in the next hundred years.

--Lemony Snicket

Lemony Snicket is the author of A Series of Unfortunate Events."

domingo, novembro 21, 2010

Nanowrimo: 40k

40 mil palavras feitas. Faltam-me 10 mil palavras para acabar o desafio - mas esperava conseguir fazer, neste livro, entre 70 e 80 mil palavras. *Suspiro* Logo se vê. Provavelmente só em Dezembro atingirei esses valores.

Frosted Leaf Galaxy


Frosted Leaf Galaxy, originally uploaded by masahiro miyasaka.

sábado, novembro 20, 2010

Urano Oposição Plutão: Mudanças irrestritas

(Meus trânsitos.)

"Do início de abril 2011 até o início de março 2012: Este é o momento de iniciar mudanças irrestritas, não só em sua própria consciência, como também nas suas circunstâncias de vida. As condições que lentamente se vêm configurando a obrigarão a fazer grandes mudanças agora. Se for flexível, conseguirá dar início a uma nova fase de vida, mesmo achando que a hora para começar de novo já passou. Sua consciência viverá um novo nascimento, que lhe permitirá administrar sua vida livre dos velhos padrões de raciocínio que a limitavam.

Porém, se não conseguir adaptar-se e ser flexível, este será um período de grandes tensões e confusões, pois você tentará prender-se a posses, circunstâncias e pessoas que já deixaram de ter função em sua vida. O que quer salvar não passa de ilusão.

O impulso de mudança pode vir através de pessoas que lhe apresentarem surpresas desestabilizadoras. Todas elas lhe mostrarão que sua vida já não é o que era. O principal a reconhecer é que esse processo não a desfavorece; ele apenas a abalará inicialmente, até que consiga adaptar-se ao fluxo dos acontecimentos. Em seguida, ele poderá ser muito emocionante, pois talvez introduza em sua vida uma nova juventude. A vantagem é que agora você poderá abordá-la da melhor forma."

(link: www.astro.com)

O meu Urano natal está na casa 11 e vai opôr-se ao Plutão natal também na casa 11, a partir da 5 (onde transita, neste momento). Possível interpretação (uma entre muitas):

- vou ter problemas com amigos ou com grandes grupos (empresas, instituições onde esteja inserida) - e de repente pensei em políticos, lol - devido à minha criatividade, digamos, excêntrica? (Espero que não.)
- Seja o que for, parece-me que vai haver grandes mudanças em termos de amizades, assim, out of the blue. Tipo, alguém que eu pensava que ia estar ali para sempre, vai deixar de estar. (Espero que não seja morte real! Bolas, *eery* É que é Plutão, o planeta da morte, o planeta que terá o aspecto...) Logo se vê o que será.

I have Eyes to see [Explored]

The Spring of the Autumn (EXPLORED)

quinta-feira, novembro 18, 2010

terça-feira, novembro 16, 2010

Letterpress printed ‘Never Let The Odds’ quotation poster

Wedding Zombies


Wedding Zombies, originally uploaded by captain.magnificent.

segunda-feira, novembro 15, 2010

Japanese Maple


Japanese Maple, originally uploaded by Jason Neely.


Vejam esta foto também, que é muito gira:

http://www.flickr.com/photos/springnoel/5168438404/

111.365 My own joy


111.365 My own joy, originally uploaded by She was Anouk.

They keep ending up this way

Calma y movimiento


Calma y movimiento, originally uploaded by Rafel ibz.

sábado, novembro 13, 2010

Wordcount Nanowrimo

Já vou nas 31200 palavras. Nada mau, embora o objectivo para este ano sejam as 80 mil palavras num mês. Não sei se o conseguirei. Provavelmente terei de escrever também durante Dezembro.

/Dunya out

sexta-feira, novembro 12, 2010

Jeremy Irons talks about the death penalty



Outro argumento que aqui não é referido:

- Quem defende a pena de morte normalmente não considera que, antes de defender a pena de morte para os outros (para os "maus", para os "vis"), está na realidade primeiro a defender a pena de morte para os seus: para a sua família, para os seus entes queridos. Para os seus pais e filhos e netos e conjuges.
Está na realidade a dizer ao Estado: vem. Eu aceito que Mates aqueles que eu amo. Eu aceito que Mates a minha família. Eu aceito que me mates a mim.

terça-feira, novembro 09, 2010

Selo Dardos

... que recebi do excelente Blog O Enigma de Gabriel, de Olinda Gil.




"O Prémio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras."
As suas regras são:


- Exibir a imagem do selo no blog
- Exibir o link do blog que você recebeu a indicação
- Escolher 10, 15 ou 30 blogs para dar a indicação e avisá-los.

Os que eu escolho são os seguintes (e não vão ser dez, sorryyyy. Já 'tou a quebrar as regras):

- O Dragão (que é um porreiraço para o lado do anarca e escreve muito bem);
- Ao Zulu (outro porreiraço).

E, e a mais ninguém! Estes dois valem por 30!

Avatar

[Uma crítica que escrevi no Alphasmart há muito tempo atrás.]

Acabei de ver o filme Avatar, do Cameron. Eis a minha opinião:
- Os americanos têm jeito para os efeitos especiais, mas possuem a profundidade psicológica de um caracol.
(Um caracol retardado.)
Eu quero de volta aquelas três horas de vida perdidas. Épico de merda, aquela história, aquele tipo de história, já foi contada milhares de vezes e muito melhor. Em termos puramente emocionais há muita coisa que, para mim, não fazem sentido. Sinceramente, para mim, não vale a pena ver este filme. Quero ir ver o Ágora, espero que não me desiluda como este.
E, se vamos falar de um filme também com tremendos efeitos especiais, mas que não me desiludiu porque era uma história bem contada, falemos então de Distrito 9. Entre Avatar e Distrito 9, ganha o último, hands down.
Outra coisa: podem fuzilar-se os jovenzinhos até aos, vá lá, 16 anos, que não se calam na merda da sala de cinema? É que eu queria. Queria muito mesmo. Mas mesmo muito. Quem me dera ser ninja para os poder aniquilar a todos em menos de um minuto e a sala, assim, ficar em silêncio, e eu poder ver a porcaria do filme descansada.
Avatar - não gostei.